quarta-feira, 20 de abril de 2011

Porque cinza também é cor!


Acordei triste, mas não um triste digno de pena com ânsia de brigadeiro, necessidade de gente, precisão de colo ou abraço, não um triste com direito a caixas de lenços, remédios ou psicanalistas. Um triste quieto, rebuscado, calado, mudo, um triste necessário, profundo, estático. Só pra exercer o direito à tristeza, quebrar a obrigação do riso e desestabilizar a ditadura do "bem estar".

3 comentários:

Daniel Ferro disse...

Nossa, realmente há dias em que a gente não acorda para alegria. Isso não quer dizer que não estamos felizes. Muita gente confunde alegria com felicidade. Adorei o texto, ele resume muito bem umas idéias sobre as quais eu tenho me questionado esses dias.

Daniel Ferro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vanda Avlis disse...

Brigaada, Daniel! =)